1 maio, 2015

E os percevejos?

Compartilhe!

por Máucio

Estava a colocar um cartaz no mural da faculdade e me deparei com um imprevisto que, tenho certeza, todos vocês já vivenciaram: a falta de percevejos. Olho daqui, olho dali e nada de encontrar o utensílio.
A secretaria estava fechada, a saída foi tomar emprestado um de outro cartaz. Tive que prender o aviso com apenas um percevejo e um prego impróprio que estava dando sopa no canto do quadro.
De súbito veio uma pergunta insólita, porém honesta: onde foram parar os percevejos que estavam aqui neste mural anteontem? Por que os murais nunca têm percevejos sobrando? Por que essa escassez?
No dia seguinte perguntei a secretária do curso, quantas caixas de percevejos ela solicitava, normalmente pro almoxarifado. Vinte, respondeu-me. E, muitas vezes, tenho que pedir mais. A cada início de semestre? Sim!
Ora, 20 vezes 50 totalizam 1000 percevejos por semestre, só nessa secretaria. Dividindo-se por quatro, número ideal para fixar um cartaz, resulta que há fixadores suficientes para 250 cartazes.
Mas a questão fundamental não é exatamente essa. O problema é saber, pra onde vão as 1000 unidades adquiridas semestralmente? Em síntese: onde vão parar os percevejos?
Coloquei minha dúvida a um colega e ele de pronto respondeu: pro mesmo lugar que vão as bic. Pensei estar resolvida a questão, mas não. As canetas se gastam, são esquecidas em lugares ou são tomadas emprestadas por algum colega que não devolve. É compreensível.
O percevejo não, seu lugar de uso é exclusivamente os murais, portanto, seria ali que todos deveriam estar reunidos, à disposição pro próximo usuário. Calcule, só no nosso curso são 10 000 percevejos utilizados nos últimos cinco anos, isso daria pra cobrir todos os murais do prédio.
É certo que, durante o uso, uns caem no chão e são até carregados na sola dos sapatos, mas e os outros? Onde estão os demais? Não é plausível imaginar que alguém roube percevejos para levar para casa, no máximo retiram de um mural para usá-lo no mural ao lado.
Não é também possível imaginar que alguém faça coleção de percevejos! Acho que não teria a menor graça, né? Imagine o cara convidando a garota: vamos lá em casa conhecer minha coleção de percevejos?
Estive calculando mais aprofundadamente. No prédio onde trabalho, funcionam no mínimo 15 secretarias. Se todas usarem a mesma média de percevejos por semestre,
do almoxarifado sairiam um total de 30 mil percevejos/ano, só neste centro de ensino. Em cinco anos, chegaríamos a vultosa conta de 150 mil percevejos. Multiplicando por 8 centros de ensino, chegaríamos a algo em torno de 1 milhão e 200 mil percevejos. Todos eles saindo daquelas inocentes caixinhas com 50 unidades.
Que loucura!

Confraria do Chuchu
E se a UFSM não existisse?